Minde no site da ANAFRE

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Minde no site da ANAFRE

Mensagem  Admin em Qua 9 Jan - 6:12

Por: J M QUERIDO

Retirei este texto do site da ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias) que poderá consultar aqui:

Situada muito próximo da Serra d’Aire Minde participa das curiosidades geomorfológicas que caracterizam essa serra. Se o nome de Minde vem ou não de D. Mendenho, antigo rei mouro, ou provêm do nome de D. Mendo, não se sabe, o que se sabe é que a povoação é muito antiga, tendo recebido dos reis portugueses numerosos privilégios, que terminaram em 1834, sendo um deles a isenção de fornecer recrutas para os exércitos nacionais, não lhe foi, no entanto, nunca dado foral. Crê-se que a freguesia de Minde surgiu a partir de uma ermida da invocação de Nossa Senhora dos Cerejais onde havia missa, sendo os funerais e os sacramentos feitos em Santa Maria.

Os moradores de Minde, no entanto, ou por falta de devoção a uma imagem que só possuíam pintada, ou por não apreciarem grandemente o título da sua padroeira, ou por qualquer outra razão que actualmente escapa ao conhecimento, pretendiam substituí-la por outra. Este descontentamento terá sido relatado a frei Hilário de Nossa Senhora da Assunção, natural de Minde e este prometeu tudo fazer para atender às suas pretensões. Em 1547 Minde tinha já por orago, exactamente, Nossa Senhora da Assunção. A terceira invasão francesa, sob o comando do general Massena deixou marcas irremediáveis na região como a destruição da ponte do Alviela e Minde não escapou à regra, com a destruição dos registos da paróquia de Minde. Na tentativa de escapar à fúria das tropas francesas os habitantes de Minde buscaram refúgio no Regatinho, um canal subterrâneo por onde no Inverno corre a água que enche o polje de Minde.

Foi em ligação à actividade de produção e venda de mantas de terra em terra pelos frades ou por quaisquer outros indivíduos ligados à lã, à criação de gado, à cardação, à tecelagem ou à venda destes artefactos que surgiu o “calão minderico” ou “piação de charales”, que mais não é do que agarrar em elementos vocabulares do português da região e deslocá-lo dos seus significados comuns, no propósito de criar uma língua secreta que permitisse a autodefesa do grupo. Este calão mantém-se ainda vivo.



A lã para o fabrico dos lanifícios vinha de fora de Castanheira de Pêra e da Covilhã. O fabrico de mantas foi, no entanto, a produção que mais celebrizou Minde, o seu modelo foi buscado no Alentejo (Reguengos), depois de terem fabricado mantas de trapos tipo mescla e tipo preto e branco. Foram os pequenos industriais e as suas famílias os inovadores e os obreiros das mantas de Minde. Uma das maiores riquezas de Minde é a sua etnografia que apresenta uma variedade e complexidade tal que só pode ser sinónimo de uma intensa e longa vida comunitária, que rege todos os actos da vida dos naturais, do nascimento até à morte, no labor diário e nas festas, na religiosidade e até num certo paganismo que transparece em certos usos, certificando as suas remotas origens.

Do rico património de Minde destaca-se a igreja paroquial, fundada em 1623 de que se destaca a talha de excelente qualidade, um sacrário de pedraria dourada datado de 1547, havia também esculturas quinhentistas que foram enterradas no cemitério. A capela de S. Sebastião que terá sido construída no reinado de D. Duarte; a capela de Santo António, datada de 1475 sofreu várias reformas, tendo a imagem do orago sido queimada pelos franceses.

No Largo da Capela de Santo António situa-se a Casa dos Açores datada de 1926, filia nas ideias de Raúl Lino e possui um excelente painel de azulejo. A Escola Primária obra de 1902, projectada por Adães Bermudes é recordada num painel de azulejo.

A Casa Amarela de 1924 é um edifício neogótico, com varandas em ferro forjado, painel de azulejos de Dalia Pena descreve a Feira de Sant’Ana, o forro de azulejos é de Rafael Bordalo Pinheiro. O coreto de 1933 com a sua cobertura de ferro funciona em Minde como uma recordação e como um toque da vida cultural e associativa desta vila enquanto está inactivo o Museu Roque Gameiro. Excelente peça artística, está decorado com painéis de azulejo de J. Santos, sobrinho de Roque Gameiro.

Em Minde realiza-se anualmente em Junho a tradicional feira de Sant’Ana, monstruária das actividades económicas da freguesia; escreve-se também um jornal o “Jornal de Minde” e trabalha-se no sentido de dignificar o espólio do pintor Roque Gameiro, actualmente à guarda da junta de freguesia. Minde soube ainda encontrar saída para as dificuldades que a indústria tradicional de lanifícios, uma das suas maiores fontes de riqueza, enfrentava tornando-se um dos pólos nacionais mais activos.

NOTA: Este texto está de certeza datado quanto ao último parágrafo. De destacar o facto de referir «a Casa Açores, filia nas ideias de Raul Lino». Pelo que vi no dicionário, filia pertence ao verbo «filiar» que tem como sinónimos «perfilhar», «derivar» ou por fim«originar-se».
Não sei qual o autor do texto, mas a rede aperta-se...
JM Querido


Alguns projectos executados pelo Arq. Raul Lino

PS: Ilustrações de responsabilidade de PM
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 26
Data de inscrição : 27/09/2007

Ver perfil do usuário http://minde.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum